Ao visitante

A Procura do Impossível trata-se dos momentos nos quais me lembro que, por trás do cotidiano, existem coisas incríveis.

B.W Riccardo


sábado, 9 de maio de 2015

Os Anormais

Disse Jesus: "Eu vim a este mundo para julgamento, a fim de que os cegos vejam e os que vêem se tornem cegos".
João 9:39

E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música.
Friedrich Nietzsche

“Pensar contra a corrente de seu tempo é heróico; dizê-lo é uma loucura.”
Eugéne Ionesco


Assisti ontem com minha esposa um filme baseado em um conto incrível de Poe, “ O Sistema do Doutor Alcatrão e do Professor Pena.”  Essa é uma história que se passa em um manicômio. Um rapaz que se dizia médico (residente), aparece nesse estranho lugar dizendo-se um ex-aluno de Oxford, querendo estar ali para aprender mais sobre os métodos de tratar doentes mentais do final do século XIX.

Quando o jovem médico chega ao manicômio, percebe que os “ loucos” são tratados por uma espécie desconhecida de tratamento, o “sistema de brandura” , uma espécie de tratamento de cura em liberdade, onde os pacientes poderiam dar vazão as suas alucinações. O Dr. Maillard, quem dirigia a instituição, argumentava com o jovem médico que podia curar seus pacientes dessa forma, levando-os se possível, a se tornarem aptos a viverem em sociedade.

O médico não podia entender a legitimidade de tais métodos. Nisso tudo, Poe parece demonstrar que os tratamentos convencionais de sua época eram a base de violência e exclusão. Em certo momento, ainda no começo de sua estadia ali, o médico descobre no subsolo do edifício, que os verdadeiros dirigentes da instituição estavam presos, os internados haviam se revoltado, encarcerado os médicos e enfermeiros, e assumido o manicômio.

O que há de mais magistral nisso tudo, são os questionamentos que Poe nos leva a fazer. Durante o domínio dos “loucos” há respeito mutuo. Homossexuais, que eram acusados de doença mental, podiam conviver com os outros livremente. As pacientes que eram abusadas pelos funcionários, agora são tratadas com respeito. No manicômio, quem trata com crueldade e intolerância, são os “normais”, os “insanos” sabem conviver e tolerar as dificuldades.  

Da cidade puritana de Boston, Edgar A. Poe certamente encontrou muita oposição em sua época por geralmente tratar do macabro em sua literatura, mas a profundidade de seus questionamentos, é inquestionável, tanto em seu tempo, quanto hoje. Alguns apenas não o ouviriam porque ele é estranho de mais para os normais. Tomara eu encontrar por aí mais um louco, que acha que há algum sentido em Poe.

Página Seguinte » « Página Anterior Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário